10/01/2010

A neve chegou a cidade





A tarde envolve em frio sua amargura. 
Cai a neve em silêncio, lentamente. 
Pelo caminho, caminho ausente, 
perde-se a cidade na clara bruma.
Não sei para onde vou, 
sento a dura certeza de existir ,
tudo se faz possível de repente, 
enquanto prossigo às cegas o meu trilho.
Procuro a impressão esquiva de teus passos,
  sempre presente, talvez imaginado. 
Tão a teu norte
meu alento escasso sobrevive entre sonhos reais 
E na tua recordação amor, 
ainda me abraso...
e a neve segue silenciosa o seu reinado.


1 comentário: