30/03/2011

Infinitamente teu...

A noite cai, o vácuo, oco...
É quando eu me encontro sozinho,
Quando penso em tudo o que te diria se estivesses a meu lado
E em todo o tempo que perdi... por me perder.

Desfaço a cama, caindo aos pedaços, fria sem ti,
Eu gostava de pedir ao Sol para voltares,
Para terminar com a minha noite de negro veludo,
Mas, então, olho para mim e vejo-te, com uma clareza vaga.... e sorriu.

Qual foi o Deus ou divindade antiga que ouviu o meu pedido?
O que prestou atenção a nossa batalha de amor? Agradeço-lhe!
Apenas tenho poemas de amor para ti agora... a minha arte, o meu coração....
O qual vou colocar a teu lado para sempre... Infinitamente teu.

3 comentários:

sophie disse...

É sempre tão bom ler-te nestas palavras...

E é melhor ainda saber que te encontraste e que nos voltaste a encontrar...

Amo-te

Uma boa parte de mim disse...

Bela foto.
Belo, o amor.

sophie disse...

:)