22/02/2012

Vagueando

Mordo as canetas com que escrevo,
 saboreio amargamente o copo pelo
que bebo,
esqueço-me de tudo e de todos,
vagueio a sós
em recantos que nos pertencem
só a nos,
reencontro a minha sombra,
aqui sentado, encostado,
a qual me assombra,
assusta
e arrepia,
fria como sempre
fiel companheira,
eternamente me vigia.
Visita-me
e em mim suscita,
raiva, 
prepotência,
violência na escrita,
a fim de entender
o que nas minhas veias corre,
devagar,
devagarinho,
e no final
a sombra
novamente me deixa
sozinho.
E a amargura do copo
e as canetas mordidas,
são postas de parte
e simplesmente esquecidas.

1 comentário:

Fátima disse...

Oi Jonh,

A solidão devora.

Beijo meu